Você já se perguntou de onde surgiu o feriado de Dia de Finados? No dia 2 de novembro começou a ser “comemorado” pela igreja católica em torno do século 13 quando o monge Odilon de Cluny, de origem francesa, percebeu que muitos falecidos não eram mais lembrados por seus familiares.

Na época, não era comum que as pessoas fizessem orações pela alma dos entes queridos que partiram. E para os católicos era e continua sendo importante enviar preces à aqueles que precisam encontrar a paz eterna e salvação.

Nos dias de hoje, o dia de finados tem como principal prática a ida ao cemitério para relembrar, levar flores, acender uma vela e orar pela alma dos que partiram. É um dia triste e de muitas saudades.

MAS O QUE FAZER NO DIA DE FINADOS?

Não é fácil lembrar daquela pessoa que partiu, mas o dia de finados pode se tornar um dia para relembrar com o coração leve e prestar uma bonita homenagem.

Mesmo que saibamos que ali só existe o corpo vazio, nossa alma precisa de oração e prestar uma homenagem pode ser reconfortante para os que estão vivos.

Levar flores, acender vela, rezar, enviar todas as energias e muita luz para os que se foram desse mundo, fazer a comida preferida do falecido, visitar um lugar especial, reunir as pessoas que mais o amava, relembrar dos bons momentos de alegria e risadas são homenagens lindas de se fazer.

Para fazer uma homenagem não é preciso necessariamente ao cemitério, é possível fazer em casa ou num local especial. É sempre bom lembrar sem tristeza, rancor ou raiva. Tudo já passou e agora é só descanso.

MEDO DE CEMITÉRIO

Até o século XVII os corpos sem vida eram sepultados dentro das igrejas católicas, mas no final desse mesmo século a população europeia passou a realizar os sepultamentos em área a céu aberto. Essa mudança aconteceu por medida emergencial devido a higiene e o aumento da demanda de mortos. Esses locais eram chamados de campo santo e ficavam em locais bem afastados dos centros urbanos. Com o passar do tempo, outros países adotaram essa medida e se tornaram os cemitérios dos dias de hoje.

Os cemitérios são mais visitados no dia de finados por aqueles que costumam levar flores e acender velas aos entes queridos que já partiram desse mundo. Muitas pessoas seguem algumas superstições ligadas a religião para quando vão nesses locais, como: se benzer ao entrar, não dar as costas ao sair, não entrar em casa com as roupas usadas para ir no cemitério, etc.

Em contra partida, muitos pessoas não vão ao cemitério em nenhuma época do ano, pois acreditam que ali só está o corpo vazio, apenas matéria, o espirito está em outra dimensão. Além de ser um ambiente pesado espiritualmente por conter almas vagantes e entidades boas e ruins. Algumas almas não conseguem seu caminho facilmente.

Por isso, existe um enorme tabu quando falamos de cemitério. Há medo, repulsa e se possível nem passa na frente. Os filmes de halloween nos fizeram fantasiar sobre o cemitério e o que há nele quando chega o entardecer da noite. A nossa imaginação acaba por criar algo que não existe.

A verdade é que nós temos medo de morrer. E, em alguns casos, pensamos que ir nesses locais vai atrair coisas ruins para sua vida e até mesmo antecipar sua morte. Mas o que devemos acreditar é que o cemitério é apenas a linha final da nossa vida nesse mundo ou nesse corpo. Ali tem pessoas trabalhando para manter um local digno para quem enterra seus entes queridos.

Há vida entre os mortos e muitos cemitérios ao redor do mundo são pontos turísticos por terem celebridades entre os túmulos (mas vamos deixar esse assunto para outro dia!). Os cemitérios precisam de nosso respeito e cuidados sim. Afinal, todos nós vamos acabar indo para algum deles.

VIVER ENQUANTO ESTAMOS VIVOS

Vivemos dia após dia sem perceber que a qualquer momento podemos deixar esse mundo. Já pensou se isso acontece hoje? O que você deixou de fazer ou falar? Só percebemos o tempo perdido com futilidades quando nos deparamos com o fim.

Precisamos fazer com que nossa trajetória nesse mundo valha a pena. Devemos aproveitar a vida, cada dia de sol e cada dia de chuva, abraços, lágrimas e sorrisos. Vamos encarar o mundo, a vida e a morte. Se não sabemos nossa missão na Terra, vamos criar uma. Pratique o bem, o amor e a paz. Floresça tudo ao seu redor. Dê a mão para quem ama e vá viver enquanto for possível.

LEIA TAMBÉM: A dor do abandono que a morte nos traz

Clique aqui e saiba mais!